Costume

Ele nunca mais a perdoou
Sofreu como nunca antes.
Ela nunca mais sofreu
Perdoou o antes que doesse.

Daquilo tudo que já não é
não foram acertos nem erros
Nem vontades, nem verdades.

Ele lhe daria o mundo,
que acabou se tornando grande demais pra sacola
Ela lhe entregaria a vida,
mas teve medo de ultrapassar a distância que os separava

Hoje são estranhos e vivem felizes
Se acostumaram a deixar pequenos pedaços pelo caminho.

Anúncios

TicTac.TicTac!

Pelo tempo que durar esse será o tema de meus devaneios, por duas razões:

[1] Esse é o tema do meu TGI e não posso fugir dele!
[2] Ele faz parte de todo o percursso da vida e tb não posso fugir disso! rs

Por isso, enquanto existir o que dizer e latejar a vontade de por pra fora, aqui é o canal! Mas é claro, não será via de regra pq afinal de contas é necessário espairecer as ideias (que agora é sem acento!rs)

Não podemos nos desatrelar do tempo, ele e o espaço são os eixos pelos quais organizamos a nossa vida. Armazenamos tempo em forma de memórias, somos feitos dele. E por mais passageiro que nós achamos que seja, nós é que somos.

Assistindo uma palestra do professor Luiz Felipe Pondé ele diz algo, mais ou menos assim:
” (…) Tempo é a passagem monótona de determinados processos, que não traz nada de novo além da sua dissolução ao longo do tempo. (…) O eixo entre tempo e espaço se organiza no tempo para que ele seja, para que ele tenha significado, porque se ele ficar entregue as nossas mãos ele passa, não porque ele seja algo que passa, mas porque as nossas mãos passam. O tempo é o movimento.” (…)

Acho que é por esse movimento que nos tornamos parte dele. Por todas essas memórias, e só por elas, temos a consciência do fluir dessa movimentação. Que independe de nossa vontade, nossos desejos, nossas escolhas. Passaremos todos, levaremos parte desse tempo conosco e a outra metade esterá pra sempre perdida pelo espaço do vazio da nossa existência.

MEMÓRIA

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão.

Mas as coisas findas
muito mais que lindas
essas ficarão.

|  Carlos Drummond de Andrade |

O ser do tempo

Tempo é passado, presente e futuro. Ele é tudo. Somos só recordação e projeção. Sentimos o tempo e o que levamos é ele. O tempo do agora são nossas escolhas. Nos construimos no tempo. fazemos parte dele. Como podemos não o ter? Não sentir? Como o tempo passa sem que a gente veja? Nós passamos, o tempo não!

Será um longo caminho!